Posts Recentes

Ausência de averbação de dívida trabalhista em matrícula de imóvel não invalida fraude à execução
























Quem quiser comprar um imóvel, deve ter precaução para evitar problemas futuros.

Isto porque, a rigidez da Justiça do Trabalho no cumprimento de execuções contra as empresas sem patrimônio, direcionadas a seus sócios, tem causado enorme dor de cabeça mesmo para os compradores de boa fé.

Assim se verifica em um recente acórdão proferido pela 14ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, ao negar provimento a recurso de um terceiro que comprou um imóvel de propriedade de um ex-sócio de uma empresa falida, contra a qual, antes mesmo da sua saída, já havia reclamação trabalhista ajuizada.
 
O comprador alegou que inexistia na matrícula do imóvel qualquer averbação acerca da dívida trabalhista, destacando, assim, sua boa fé, para ao final requerer a reforma da sentença que decretou que o negócio firmado se caracterizava como fraude à execução.

Digno de nota que a sentença proferida em primeira instância já havia declarado a fraude e determinado a penhora do imóvel para satisfação da dívida trabalhista, mesmo já matriculado em nome do terceiro comprador.

Decisão que foi mantida pelo TRT, por entender que a simples ausência de averbação da dívida na matrícula do imóvel não era óbice para que o comprador constatasse a inadimplência do vendedor perante a Justiça do Trabalho.

O relator, desembargador Francisco Ferreira Jorge Neto, também destacou que “ao tempo da alienação, o vendedor já era devedor trabalhista, o que seria facilmente comprovado pela expedição de certidões perante a Justiça do Trabalho”.

Assim, sugere-se que ao se realizar negócios comerciais dessa natureza o comprador se valha do direito de solicitar certidões tais como: (i) a de processos trabalhistas ajuizados contra o vendedor e suas empresas e (ii) a CNDT – Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas, bem como, adote todas as medidas necessárias para constatar o real desembaraço do bem comercializado.


                                                                                                                                 Rodolpho Finimundi

Understanding recent changes in Brazil























Brazil, the true South American giant and the world’s eighth largest economy, has suffered several political and economic changes in recent months.

After long political processes that strictly respected the country’s Constitution and Institutions, a new government with strong liberal tendency and pro-market orientated is leading the country. The new government policy aims to match the high expectations of the Brazilian society in general, and in particular entrepreneurs and almost twelve million unemployed people hit by the economic crisis that has accumulated over the past three years.

In fact, Brazil is about to make major changes in its regulatory, economic and legal landmarks. The goal is to attract investors, especially foreigners, to carry out a number of priority projects in infrastructure and explore great business opportunities in various sectors.

The first movements of these changes have already been drafted in the capital, Brasilia, and in the major economic and financial center of the country, São Paulo. Projects for economic liberalization, reduction and control of public spending, new concessions of services and public works, privatization of state-owned companies, and the opening of several economic sectors to foreign capital are highlighted, as well as reforms of social security, tax and labor systems.

Certainly some of these reforms, particularly the tax and labor, will require more time, cohesion and political efforts to be implemented. However, the new direction and willingness of the government represent good news for investors, who were disappointed by the lack of real possibility for changes in the past years.

Changes regarding to the liberalization and opening of the economy, reduction and control of public spending, new concessions of services and public works, privatization of state-owned companies may suffer minor obstacles, although political difficulties are not negligible in the Brazilian political system. These issues are the challenges of the new government in the short term.

The new Brazilian diplomatic stance already reflects this direction, because it is closer to the opening of the country and its integration in the global market. The economic and commercial interests tend to prevail over the political and ideological interests, that guided Brazil’s foreign policy in the last thirteen years. Moves in this direction are already clearly visible in the Mercosur and in Brazil’s rapprochement with the most important world economies.

Projects for constitutional amendments and new laws are being negotiated politically in order to allow greater fiscal control, combating public spending. This may especially reassure the financial markets about the solvency of Brazil to honor its commitments and debts in the medium and long term.

Business opportunities

Along the movement of Brazil in search of overcoming of its economic crisis, foreign investors will find a favorable environment to their investments. Among the main economic factors, we highlight the strong depreciation of the Brazilian currency (Real) in the recent months, and the relatively low price of assets and shares of Brazilian companies. In other words, Brazil is cheap.

Most Brazilian companies need strategic partners and investors to continue and advance their activities, either because of debt, cash or expansion needs. Similarly, the market of mergers and acquisitions also envisions a favorable horizon to foreign investors. This opens up huge business opportunities for investors and foreign companies.

Whether through buying stakes in Brazilian companies, joint ventures or even mergers and acquisitions, companies and foreign funds have a considerable range of opportunities.

Agribusiness

Agribusiness is essential for the economy and the balance of payments in Brazil. This sector represents 23% of the Brazilian Gross Domestic Product.

The estimates of the Organization for Economic Cooperation and Development (OECD) and the United Nations Food and Agriculture Organization (FAO) said that Brazil will take the lead of world exports of the agricultural sector in 2024.

The continued growth of the crop by 2024 will be based on improved productivity and expansion of crops. The plantations will occupy a total area of 69.4 million hectares in 2024. Much of this expansion will occur through sugarcane, cotton and soy.

Soybeans will remain the main agricultural product of Brazil, currently second largest exporter after the United States. However, sugar (1st  world producer), coffee (1st world producer), orange juice (1 world producer), beef (2nd world producer), ethanol (2nd world producer), poultry (3rd world producer), pork (4th world producer), cellulose (4th world producer) and corn (4th world producer), will continue to have considerable importance.

Brazil is an excellent opportunity for agribusiness, in view of these optimistic forecasts, the current Brazilian interest to attract foreign investors, the depreciation of the Real in recent months, and the relatively cheap price of land.

One of the obstacles to foreign direct investments in agribusiness concerns restrictions on the purchase or lease of rural land by Brazilian companies with majority foreign capital. Since 2010, through a Legal Opinion of the Attorney General, it was established some restrictions that become more bureaucratic foreign investment in rural land.

In recent months, the new government acknowledged the mistake made by the previous administration, pledging to review these restrictions and bureaucracy. This will allow the feasibility of huge investments by foreign companies and funds.

We are following the developments of this issue carefully, so that we can immediately inform our clients and friends about new business opportunities. We encourage investors to consider prospects on land purchases and leases, to conquer the front in future opportunities.

Public concessions and privatizations.

To strengthen these opportunities and, considering the huge Brazilian lack of investment in infrastructure, the new government prepared a new public concessions and privatization program, correcting mistakes made by previous administrations. Among the opportunities identified initially by the Brazilian government, we highlight the following projects:

Transport sector

Airports (scheduled for the first half of 2017):
• Concession of the Cities of Porto Alegre, Salvador, Fortaleza and Florianopolis.

Ports (scheduled for the second half of 2017):
• Concession of Santarém fuel terminals.
• Concession of wheat terminal in Rio de Janeiro.
Roads (scheduled for the second half of 2017):
• Concession of BR-364, BR-365 in the States of Goiás and Minas Gerais.
• Concession of BR-101, BR-116, BR-290, BR 386 in the State of Rio Grande do Sul.

Railways (scheduled for the second half of 2017):
• Concession of North-South railway, in the States of São Paulo, Minas Gerais, Goiás and Tocantins.
• Concession of Fiol railway in the State of Bahia.
• Concession Ferrogrão railway in the States of Mato Grosso and Pará.

Sector of Oil and Gas

(Scheduled for the second half of 2017).
• 4th round of bidding of complementary fields (land) of oil and gas under the concession regime.
• 2nd round of bidding under production sharing regime (usable areas).

Energy sector

(Scheduled for the second half of 2017)
• Amazonas Distribuidora de Energia
• Boa Vista Energia
• Cia. Acre Electricity
• Cia. Energetica de Alagoas
• Cia. Piaui Energy (first half of 2018)
• Centrais Elétricas de Rondonia
• Companhia Energética de Goiás (CELG) (date unknown)

Hydropower.

(Scheduled for the second half of 2017)
• St. Simon, between the State of Minas Gerais and Goiás.
• Miranda in State of Minas Gerais.
• Volta Grande in the State of São Paulo.
• Pery in the State of Santa Catarina.
• Agro Trafo in the State of Tocantins.

Mining

(Date unknown)
o Phosphate between the States of Paraiba and Pernambuco.
o Copper, lead and zinc in the State of Tocantins.
o Coal in the state of Rio Grande do Sul.
o Copper in the State of Goiás.

Sanitation.

(Scheduled for the first half 2018)
o Cedae in the state of Rio de Janeiro.
o Caerd in the State of Rondonia.
o Cosanpa in Para State.

Lotery

(Privatization – date unknown)
o Lotex.

We hope to help the reader to understand the Brazilian current scenario and find good local business opportunities.


                                                                                                                             Wagner Garcia Botelha

Portaria prorroga o prazo para empresas firmarem Termo de Compromisso ou de Cessão com o ICMBio (Portaria nº 11/2017)























No último dia 4 de janeiro o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBio publicou a portaria nº 11/2017 a qual prorroga por mais 90 (noventa) dias o prazo para as empresas e órgãos públicos firmarem Termo de Compromisso ou Termo de Cessão com o órgão.
 
A portaria entrou em vigor com a sua publicação, porém prevê que a prorrogação de prazo iniciará após o dia 13.01.2017.

Esta prorrogação diz respeito a portaria publicada pelo ICMBio em maio de 2016 (Portaria nº 40/2016), a qual em seu artigo 9º exigia que as empresas e órgãos públicos firmassem os Termos em até 180 após a data de publicação daquela portaria, o que ocorreria em 11.11.2016, uma vez que o documento foi publicado em 11.05.2016.

As duas portarias regulamentam os critérios e procedimentos de regularização das ocupações no Morro do Sumaré, Zona de Uso Conflitante do Parque Nacional da Tijuca e tem o objetivo de avaliar e propor estratégias e diretrizes para a instalação de equipamentos de radiodifusão e telecomunicações em unidades de conservação federais, levando-se em consideração três linhas de trabalho que devem ser consideradas: (i) remoção gradual das prestadoras de serviço de telecomunicações; (ii) compartilhamento progressivo das infraestruturas restantes até a possibilidade de sua remoção; e (iii) consideração, pelo Ministério das Comunicações, das Unidades de Conservação Federais de Proteção Integral nas análises de instalação de estações de radiodifusão.

A punição para aqueles que não cumprirem o prazo estipulado é a proibição do exercício de qualquer atividade de telecomunicação, radiodifusão ou locação comercial de espaço na área do Sumaré por parte de quem não tenha celebrado os referidos Termos.

Preveem ainda que a permanência, na área, de estações de radiocomunicação, infraestruturas de suporte, edificações e mobiliário pertencentes a pessoas físicas ou jurídicas que não tenham celebrado os referidos Termos ou que não tenham apresentado o Plano de Remoção serão consideradas como atividade contrária às normas de proteção da unidade de conservação, inclusive para fins do disposto na Lei de Crimes Ambientais, cabendo ao Chefe da Unidade aplicar as sanções administrativas cabíveis, e comunicar o fato ao Ministério Público.

O Termo de Compromisso é um acordo estabelecido com o ICMBio, semelhante ao que é feito com o Ministério Público, com a finalidade de resolver impasses, firmando compromissos que serão cumpridos em determinado período. Já o Termo de Cessão tem por objetivo destinar os bens públicos ao uso comum do povo ou ao uso especial, assim poderá outorgar título de uso do bem público a particulares ou a outras pessoas jurídicas de direito público e demais entes da Administração.

E cada um deles terá a validade máxima de 10 anos, podendo ser renovado pelo mesmo período por parte da empresa, mediante apresentação de estudo técnico que comprove que se mantém a indisponibilidade de tecnologia alternativa que permita sua instalação fora dos limites do Parque Nacional da Tijuca.

De acordo com o ICMBio – Parque Nacional da Tijuca, o motivo para a prorrogação do prazo foi a falta de conclusão de metodologia do cálculo a ser adoto para as cobranças. O responsável pela realização deste cálculo é a Secretaria do Patrimônio da União (SPU), e a sugestão de prorrogação do prazo surgiu do Ministério Público Federal do Rio de Janeiro, por iniciativa do Promotor Sergio Suyama uma vez que havia divergências entre a forma de cobrança realizada pelo ICMBio e os cálculos apresentados pelos interessados.

Ressalta-se que os Termos de Cessão e os Termos de Compromisso serão celebrados, obrigatoriamente, a título oneroso, devendo constar do documento cláusula contendo o valor anual da contribuição aportada à unidade de conservação e o montante da contribuição será proporcional à área ocupada (área construída e/ou cercada) e à altura das torres e devida a partir da publicação da portaria ora analisada, conforme definido em metodologia proposta pelo ICMBio, que será divulgada em portaria específica do Presidente, com previsão anual de ajuste conforme o Índice Nacional de Preço ao Consumidor Amplo (IPCA) calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), tendo como base a data de assinatura do Termo de Compromisso.

O mesmo fenômeno de prorrogação de prazo aconteceu com o Cadastro Rural Ambiental (CAR), que entrou em vigor no dia 05.05.2016 com o prazo de inscrição estendido por um ano, pelo Ministério do Meio Ambiente, mas apenas para agricultores familiares com terras de até quatro módulos fiscais, já os produtores de médio e grande porte não tiveram o prazo prorrogado.


                                                                                                        Ana Lúcia Lunardi e Mayra Martins

Revista pessoal e íntima no ambiente de trabalho X proteções constitucionais à dignidade da pessoa humana e inviolabilidade à intimidade























Com base na necessidade de manter um procedimento de segurança, principalmente em empresas que lidam com objetos de alto valor, como obras de arte, joias ou grandes somas em dinheiro, os empregadores costumam adotar a revista pessoal ou íntima embasando-se em seu poder diretivo e no seu poder de propriedade, garantido e protegido pelo artigo 5°, caput e inciso XXII da Constituição Federal.

Devemos, inicialmente, distinguir duas espécies de revista: a pessoal e a íntima. A revista pessoal, em si, é um conceito que está primeiramente vinculado àquelas revistas realizadas apenas nos pertences do funcionário e é tida como um conceito genérico, sendo qualquer exame ao qual o empregado é submetido no âmbito da empresa, seja em seus pertences, como bolsas e mochilas, como em seu próprio corpo, para fins de evitar o prejuízo ao patrimônio do empregador, bastante recorrente por meio de furtos.

No entanto, a revista na modalidade apontada como “íntima” é uma situação em que ocorre uma violação severa, consistindo em um procedimento completamente invasivo, obrigando o trabalhador a submeter-se a exame de seu próprio corpo, prática caracterizada por atos de despir, bem como toques por parte do revistador, caracterizando, assim, a violação a “integridade física, psíquica e moral” a qual o autor supracitado se refere.

A legislação brasileira, inclusive, ajudou a relacionar o conceito de revista íntima ao constrangimento indelével do funcionário quando da publicação da Lei 9.799, de 26 de maio de 1999. Sob um ponto de vista mais restritivo, não seriam consideradas íntimas as revistas atinentes apenas aos pertences do empregado, não configurando, portanto, a situação vedada no dispositivo de lei citado, entendimento este que tem sido sedimentado pela atual jurisprudência.

Dessa maneira, a revista por si só em bolsas e pertences, sem qualquer tipo de contato físico, sendo prática adotada pelo empregador, não gera o direito de ressarcimento pela violação da intimidade do empregado. É considerada abusiva aquela que realizada de forma constrangedora e íntima, que fere o direito à intimidade e vida privada do trabalhador, independentemente de ser considerada pessoal, ou seja, legalmente autorizada, pois o que é mais relevante é a maneira com que é conduzida.

Restam demonstradas cristalinamente as diferenças entre revista íntima e revista pessoal, bem como quando a revista pode ser realizada ou quando ela é vetada. Assim, se a revista for apenas pessoal e visual dos pertences dos empregados, ocorrendo de maneira discreta, sem nenhum tipo de acusação ou suspeita, sendo padrão dentro da empresa tomar aquela atitude, não existindo contato físico com o empregado, não há constrangimento ilegal e, consequentemente, não há desrespeito à dignidade da pessoa humana, muito menos violação à intimidade.

                                                                                                                             Gabriella Pontes Garcia

Nossos desejos para o ano novo

























Dezembro, balanço. Momento de pensar em tudo o que realizamos e o que queremos realizar em 2017.

Ano novo, novas oportunidades. Que se abra uma janela de novas emoções, chances, conquistas, vitórias, alegrias!

Vida longa e prosperidade!
 
São os votos de toda a equipe do Braga Nascimento e Zilio Advogados Associados para você e sua família.


                                                                                   Braga Nascimento e Zilio Advogados Associados

Controladoria jurídica e seus benefícios
























A advocacia tem evoluído e, com ela, a necessidade de um aprimoramento no campo organizacional. Com base nisso nasceu a controladoria jurídica, sendo atualmente uma das técnicas mais inovadoras no ramo jurídico. Basicamente, trata-se de separar a atividade de produção jurídica (ou técnico jurídico) da atividade de gestão jurídica.

A função essencial da controladoria jurídica é oferecer apoio ao setor de produção jurídica, deste modo absorvendo todas as atividades de suporte/burocráticas, como cadastros no sistema interno do escritório, cadastro no sistema dos clientes, ações a serem ajuizadas, gestão de correspondentes, controle de publicações, controle de prazos, distribuição de diligências para estagiários junto a Órgãos Públicos e Privados, controle de audiências, suporte nos processos eletrônicos, digitalizações, relatórios para clientes e análise de resultados entre outros.

Por conseguinte, a implantação da controladoria traz para o escritório inúmeras vantagens. Uma delas seria o ganho de produtividade do setor de produção jurídica, retirando do setor técnico atividades delegáveis como supramencionado. Logo, haveria dedicação exclusiva do corpo de advogados ao trabalho técnico propriamente dito, ou seja, na realização de peticionamentos, atendimento aos clientes, pareceres, audiências, sustentações orais, consultoria, atendimento aos clientes, etc.

Neste sentido, a controladoria fornece uma base sólida ao setor técnico, podendo assim trabalhar com foco, oferecendo maior tempo para elaboração de novas teses, eventual grupo de estudo no escritório ou para uma especialização em sua área. Ou seja, o ganho de tempo é evidente, possibilitando um aumento na capacidade produtiva.

Insta salientar que a adoção da controladoria é atualmente a principal ferramenta para gerir a produção jurídica, sendo comprovadamente validada por diversos escritórios, inclusive a Procuradoria Federal em Canoas/RS, tendo em vista que se utilizou do mesmo instrumento como base para organizar o fluxo interno dos processos, controle de prazos e demais procedimentos.

Nesse toar, a controladoria jurídica é a principal responsável por zelar pelo software de gestão do escritório, mantendo padronizado e atualizado, além de fiscalizar se os procedimentos do escritório estão sendo devidamente seguidos.

A maior vantagem de sua implantação é dar suporte eficiente e diligente ao corpo técnico, coibir a perda de prazos, evitar o retrabalho, realizar o apoio jurídico e extrair dados gerenciais, garantindo ganho geral de produtividade. Em virtude disso, nos escritórios de advocacia mais conceituados, a controladoria jurídica é realidade, por ser notadamente imprescindível.

                                                                                                                             Igor Pereira de Oliveira

Contagem dos prazos processuais no JEC por dias úteis
























Com a chegada do Novo Código de Processo Civil, em vigor desde 18 de março de 2016, os prazos processuais passaram a ser contados em dias úteis, conforme estabelece o Art. 219.


“Na contagem de prazo em dias, estabelecido por lei ou pelo juiz, computar-se-ão somente os dias úteis”.

Ocorre que o Fonaje (Fórum Nacional de Juizados Especiais) divulgou a norma técnica n° 1/16, informando que a contagem de prazo em dias úteis trazida pelo novo código não se aplicaria aos prazos do JEC, o que gerou e vem gerando muita divergência no meio jurídico.

Afinal, a contagem dos prazos nos JEC’s será realizada em dias úteis ou continuará sendo em dias contínuos?

Em verdade, na Lei nº 9.099/95 não há nenhum dispositivo que defina veementemente a contagem de prazo perante os Juizados Especiais. Por isso, o que deveria prevalecer é a regra geral do artigo 219 do novo diploma, pois os juizados especiais sempre seguiram a regra do CPC/73, o que nos induziria a pensar que a regra do CPC/2015 seria a aplicável ao caso.

Neste sentido, a justificativa do FONAJE é que o artigo 2º, da Lei nº 9.099/95, orientar-se-á, entre outros parâmetros, pelo princípio da celeridade processual - termo que mostra margem para que muitos juízes entendam que, nestas circunstâncias, os prazos devem ser contados em dias corridos em nome da simplicidade, a economia processual e, sobretudo, a celeridade.

Observa-se que a divergência entre a norma e a sua aplicação prática traz insegurança, pois, diante dessa incerteza, não conseguimos prever as reais consequências práticas atinentes aos prazos praticados em cada Juizado.

Tanto é que recentemente foi divulgado que alguns Estados estão divididos e alguns deles discutem agora se a nova regra se aplica ou não aos Juizados Especiais.

Os que já uniformizaram sua posição acerca do tema são Alagoas, Amazonas, Distrito Federal, Maranhão, Paraná, Roraima, São Paulo e Tocantins. Outros definiram a contagem de prazos apenas provisoriamente, até que seja unificado o entendimento.

A lista abaixo demonstra como é realizada a contagem de prazos até o momento em cada Estado:


Seguem o CPC/15
(Dias úteis)
Não seguem o CPC/15
(Dias corridos)
AM
AL
AP
MA
CE
MS
DF
MT
MG
PE
PB
PR
RJ
SC
RN
SE
RR
SP
TO
-

Se por um lado o legislador buscou a uniformização dos prazos, atualmente a autonomia adotada pelos demais atores gera uma certa flexibilidade, mas, em contrapartida, renuncia à segurança jurídica.

Assim, até que os pontos controvertidos sejam sanados, é prudente, no caso dos prazos do JEC, a contagem em dias corridos, evitando, assim, a temida perda do prazo.

                                                                                                                                         Dayane Garbato